23 de jan de 2013

Sobrevivente


Como quem não acredita na sobrevivência da hora do encontro, não por medo ou fuga, não por não sentir-se desamparado, nem mesmo pelas dores que a tardinha doíam,  já não era mais no mesmo compasso que batia a canção.  Já não acreditava que nem mesmo Vinícius desse qualquer solução.  Já não sabia mais onde estava o limite daquele mar, com aquele tamanho, com  aquele vento, aquele beijo,  que nunca mais esperou seu coração.  

3 comentários:

  1. Salve Bruno!
    À lá Caio F. Abreu. Senti uma ponta de nostalgia.
    Abraço.
    Theo.

    ResponderExcluir
  2. Grande Theo! Estes dias me lembrei de vc rapaz!


    te cuida por aí!


    forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. Pô, bom saber que mesmo ai sei-lá-onde-e-frio-pra-cacete eu me faço presente. Espero que tenha sido uma lembrança reconfortante.

    Já dizia Camille Claudel: "existe sempre uma coisa ausente que me atormenta".

    Saudade, brother.

    Aproveite todas as conexões e as experiências ai.

    E não deixe de postar! Ainda que compassadamente, arritimicamente, mas poste.

    Theo.

    ResponderExcluir