18 de jul de 2012

Assassinato



                                                                                           Molotov Flowers - Banksy

E o mundo se fazia tão grande por aqueles dias. Paraísos inteiros eram contemplados por aqueles olhos, que faziam as estrelas mais próximas. Era com os olhos que agora vivia. Poderia usar todos os artifícios de camuflagem, mentir pelos quatro ventos, lograr em prol da paz entre gregos e troianos, mas dos olhos nada fugia. Fugitiva era a tentativa, mas ainda assim estava preso pelo mecanismo da visão, que nesses dias estava sempre alinhada a quarenta e cinco graus apontando ao oeste. Se redescobriu nesse movimento de afastar-se de tudo, daquele prato sujo sobre a mesa, da conversa que vinha do outro lado da rua num movimento pouco articulado, quase fixo. Agora contemplava o botão milagroso da flor, em busca de um olhar já partido, que parte sempre, sabendo que na verdade o tempo te trouxe, te cultivou e te assassinou em mim.

17 de jul de 2012

Abraço


 Nos abraços
Cabem também
O temporal
Temeroso do esquecimento
Que nasce na boca da noite
No instante
Que quando a gente vê
Já não se é mais
O mesmo
Porto pra
Se chegar.